Conheça mais a respeito da dor crônica

Todas as pessoas já experimentaram algum tipo de dor, seja ela crônica ou ocasional. De fato, a dor é uma reação primordial do sistema nervoso que auxilia a alertá-lo para possíveis lesões. No momento em que ocorre um trauma, os sinais de dor partem da região prejudicada até a medula espinhal e para o seu cérebro.
A dor geralmente torna-se menos grave ao passo que a lesão vai se curando. Entretanto, a dor crônica se diferencia da dor habitual. Com dor crônica, seu corpo continua a enviar sinais de dor para o seu cérebro, mesmo depois de uma lesão curar-se. Isso é capaz de durar várias semanas ou mesmo anos. A dor crônica pode limitar sua locomoção e minimizar sua flexibilidade, força e intensidade. Isto é capaz de complicar a prática de tarefas e atividades diárias.
A dor crônica é definida como a dor que persiste pelo menos 12 semanas. A dor tem chance de ocasionar uma sensação de queimação e incômodo nas áreas afetadas. Pode ser constante ou intermitente, indo e vindo sem nenhuma razão aparente. Dor crônica pode ocorrer em quase toda parte de seu corpo. A dor é capaz de parecer diferente nas diversas regiões afetadas.

Modelos mais comuns de dor crônica

Entre os tipos mais habituais de dor crônica estão a de cabeça, dor pós-cirúrgica, dor pós-trauma, dor na área lombar, dor causada por tumores, dor de artrite, dor neurogênica (dor causada por agravos nos nervos), dor psicogênica (dor que não é causada por enfermidade, lesão ou dano nervoso).

Motivos da dor crônica

dor-cronica A dor crônica costuma ser ocasionada por uma lesão inicial, como uma entorse muscular. Presume-se que a dor crônica se desenvolve logo após que os nervos se danificam. O dano do nervo torna a dor mais aguda e resistente. Nesses episódios, o tratamento da lesão subjacente é capaz de não melhorar a dor crônica.
Em alguns casos, no entanto, as pessoas experimentam dor crônica sem qualquer lesão anterior. As razões precisas da dor crônica sem lesão não são bem entendidas. A dor em certas ocasiões pode resultar de um estado de saúde subjacente, como:
Síndrome de fadiga crônica: identificada por cansaço intenso e prolongado que várias vezes é seguido por dor;
Endometriose: um problema doloroso que ocorre na ocasião em que o forramento uterino desenvolve-se na exterioridade do útero;
Fibromialgia: dor generalizada nos ossos e músculos;
Enfermidade inflamatória intestinal: uma sucessão de condições que origina inflamação dolorosa e crônica no sistema digestivo;
Cistite intersticial: uma doença crônica marcada pela compressão e dores na bexiga;
Disfunção da articulação temporomandibular: uma condição que causa um clique dolorido, rangendo ou bloqueando o maxilar.

Quem acha-se em risco de ter dor crônica?

A dor crônica pode afetar seres humanos de qualquer idade, contudo é mais popular em adultos mais velhos. Sem contar a idade , outras razões que podem aumentar seu risco de desenvolver dor crônica abrangem, como ter uma lesão, ter passado por um procedimento cirúrgico, ser mulher ou encontrar-se com excesso de peso.

Como é tratada a dor crônica?

tratamento-dor-cronica O principal intento do tratamento é diminuir as dores e melhorar a flexibilidade. Isso auxilia o paciente a voltar para as atividades diárias sem incômodo.
A gravidade e a frequência da dor crônica são capazes de oscilar entre os seres humanos. Então, os médicos desenvolvem planejamentos de gerenciamento de dor próprios para cada indivíduo. O plano de gerenciamento de dor dependerá de seus sintomas e outras condições de saúde subjacentes. Tratamentos médicos, medicamentos e modo de viver, ou uma mistura desses métodos podem ser utilizados para tratar a dor crônica.

Abrandamento da dor crônica

Além dos medicamentos que têm que ser indicados por um clínico, alguns procedimentos, que inclusive precisam ser feitos com a dica de um profissional da área médica, podem proporcionar alívio da dor crônica. Certos deles são a estimulação elétrica, o que reduz a dor ao enviar choques elétricos suaves para a musculatura; bloqueio do nervo, que é uma injeção que impossibilita os nervos de emitir sinais de dor para o seu cérebro; terapia chinesa com picada de agulhas, que consiste em picar levemente sua pele com agulhas para abrandar a dor; cirurgia, que corrige contusões que podem ter fechado impropriamente e que são capazes de estar contribuindo para a dor.

Alternativas de estilo de viver para dor crônica

Além disto, muitas opções não convencionais, vinculadas ao modo de vida, estão disponíveis com o intuito de auxiliar a aliviar a dor crônica, como por exemplo fisioterapia, Tai Chi, ioga, artes e terapia musical, tratamento com pets, psicoterapia, massagem e meditação.

O que motiva essa dor?

A dor provém de um sinal enviado dos seus nervos para o seu cérebro. Pode servir como um alerta, um comunicado – que você está pisoteando em um caco de vidro ou tocando em um fogão quente. Entretanto, certas vezes, os sinais seguem sendo disparados ao cérebro e a dor persiste. É quando torna-se dor crônica.

Sintomas que a dor virou dor crônica

Qualquer indivíduo com dor contínua ou diária – mesmo suave – precisa consultar um médico. Isto serve se a dor interfere em suas atividades, vindo a se tornar limitador de vida ou a capacidade de trabalhar. Leve em consideração que a dor crônica pode crescer em você. O que principia como esporádico e incômodo é capaz de, durante os anos, tornar-se sério e debilitador.

Caminhar ajuda a aliviar a dor crônica

Andar mais é uma das melhores prescrições que possuímos para auxiliar a acalmar a dor crônica. A dor crônica tem a tendência de deixar os indivíduos menos ativos e, várias vezes, agrava o quadro. O exercício ainda solta endorfinas – os analgésicos naturais do corpo. Se empenhe para caminhar – ou fazer outros exercícios – 5 vezes por semana, no decurso de meia hora ao dia. Inicie devagar e vá acrescentando certos minutos por semana.

Dor crônica e acupuntura

A acupuntura é um tratamento simples para qualquer dor crônica. Por que as agulhas na pele auxiliam? Ninguém está realmente certo disto, porém a acupuntura é capaz de propiciar a soltar analgésicos naturais no corpo ou bloquear sinais de dor enviados pelos nervos.

Dor crônica e sono

Não somente a dor pode arruinar seu sono, entretanto não adormecer o suficiente é capaz de fazer a dor crônica agravar no dia seguinte. É um ciclo vicioso. Caso a dor esteja dificultando o sono, converse com seu médico. Desenvolver excelentes hábitos de repousar – incluindo manter horário regular para se deitar – inclusive pode auxiliar.

Procure se esquecer da dor crônica

Às vezes pensamos em distração como uma coisa péssima, que impossibilita que você efetue as coisas. Mas é capaz de ser realmente um tratamento caso você tenha dor crônica. Os estudos evidenciam que, quando você está distraído – por um diálogo, ou por uma palavra cruzada, ou por um jornal – as regiões cerebrais que processam a dor ficam menos ativas. Desligar sua mente das dores, de fato, ajuda – mesmo em um nível neurológico.

Alívio da dor crônica e mudanças na dieta

O alimento seria capaz de acometer sua dor? É possível. Pessoas com enxaqueca, certas vezes, consideram que alimentos específicos – como o vinho tinto e queijos – provocam os ataques de dor. Carnes gordurosas ou leite são capazes de agravar a dor da artrite inflamatória. Mantenha um diário de alimentos por muitas semanas para avaliar se algum alimento parece elevar sua dor. Posteriormente, corte estes alimentos de sua dieta e analise se seus sintomas melhoram.

Respirar fundo é capaz de ajudar a acalmar a dor crônica

Gaste um minuto para respirar profundamente e vagarosamente. Deposite sua mão em sua barriga e sinta o abdome subir e descer. Após alguns minutos de respiração profunda, você pode sentir qualquer dor e tensão diminuírem. O bom em respirar intensamente como um tratamento contra a dor é que você é capaz de realizar isso em todo lugar – na ocasião em que você está preso em um engarrafamento ou em seu escritório.

Treino de força no combate à dor crônica

Fortalecer a musculatura – com pesos ou exercícios de intensidade – pode diminuir a dor com a mesma eficácia de várias drogas para dor nas costas e artrite. O fortalecimento muscular ainda aprimora seu equilíbrio e mobilidade. Os exercícios para a musculatura têm que ser realizados, ao menos, duas vezes semanalmente.

Uso de suplementos para dor crônica

Pergunte ao seu médico sobre suplementos para dor diária. Estudos mostram que alguns parecem auxiliar. O óleo de peixe, a glucosamina, o sulfato de condroitina são capazes de ajudar com as articulações rígidas e artrite.

Procure não ficar de cama por muito tempo

Nos velhos tempos, as pessoas tratavam a dor com descanso. Atualmente, os médicos afirmam que, à medida que um pequeno repouso é autorizado depois de uma nova lesão – como uma torção de tornozelo -, esse descanso não irá auxiliar com dor crônica. Deitar no sofá por um bom tempo enfraquecerá a musculatura e pode piorar a dor. Ao invés disso, tente manter-se ativo.

News Reporter